Clique e 

envie-nos seu e-mail Volta para a página inicial Clique e conheça Clique e acompanhe-nos 

no twitter Página do 

Programa João Carlos Amaral Entrevista Canal no youtube Clique e 

envie-nos seu e-mail Clique e 

envie-nos seu e-mail Volta para a página inicial Clique e conheça Clique e acompanhe-nos 

no twitter
___________________________


___________________________
Clique para conhecer
___________________________


__________________________


__________________________

__________________________

__________________________


______________________________
Clique para conhecer
______________________________
Clique para conhecer
______________________________

Sinapro MG
______________________________
Clique para conhecer
______________________________
Clique para conhecer



+ Categorias

  • Todos (15577)
  • POLÍTICA (5929)
  • GERAL (2057)
  • ARTIGOS (285)
  • ENTREVISTAS (35)
  • ECONOMIA (3754)
  • GENTE (1210)
  • TURISMO (842)

  • + Links
    + Arquivos

    Fevereiro, 2006
    Março, 2006
    Abril, 2006
    Maio, 2006
    Junho, 2006
    Setembro, 2006
    Julho, 2006
    Agosto, 2006
    Novembro, 2006
    Outubro, 2006
    Janeiro, 2007
    Dezembro, 2006
    Fevereiro, 2007
    Março, 2007
    Abril, 2007
    Maio, 2007
    Outubro, 2007
    Junho, 2007
    Julho, 2007
    Agosto, 2007
    Setembro, 2007
    Dezembro, 2007
    Novembro, 2007
    Janeiro, 2008
    Maio, 2008
    Fevereiro, 2008
    Março, 2008
    Julho, 2008
    Abril, 2008
    Junho, 2008
    Setembro, 2008
    Agosto, 2008
    Outubro, 2008
    Novembro, 2008
    Dezembro, 2008
    Janeiro, 2009
    Fevereiro, 2009
    Março, 2009
    Abril, 2009
    Maio, 2009
    Junho, 2009
    Julho, 2009
    Agosto, 2009
    Setembro, 2009
    Outubro, 2009
    Novembro, 2009
    Dezembro, 2009
    Novembro, 2012
    Janeiro, 2010
    Fevereiro, 2010
    Março, 2010
    Abril, 2010
    Maio, 2010
    Junho, 2010
    Julho, 2010
    Agosto, 2010
    Setembro, 2010
    Outubro, 2010
    Novembro, 2010
    Fevereiro, 2011
    Março, 2011
    Abril, 2011
    Maio, 2011
    Junho, 2011
    Julho, 2011
    Agosto, 2011
    Setembro, 2011
    Outubro, 2011
    Novembro, 2011
    Dezembro, 2011
    Janeiro, 2012
    Fevereiro, 2012
    Março, 2012
    Abril, 2012
    Maio, 2012
    Junho, 2012
    Julho, 2012
    Agosto, 2012
    Setembro, 2012
    Outubro, 2012
    Dezembro, 2012
    Agosto, 2015
    Janeiro, 2013
    Fevereiro, 2013
    Março, 2013
    Abril, 2013
    Maio, 2013
    Setembro, 2015
    Junho, 2013
    Julho, 2013
    Agosto, 2013
    Setembro, 2013
    Julho, 2016
    Outubro, 2013
    Novembro, 2013
    Dezembro, 2013
    Janeiro, 2014
    Fevereiro, 2014
    Março, 2014
    Abril, 2014
    Maio, 2014
    Junho, 2014
    Julho, 2014
    Agosto, 2014
    Setembro, 2014
    Outubro, 2014
    Novembro, 2014
    Dezembro, 2014
    Janeiro, 2015
    Fevereiro, 2015
    Março, 2015
    Abril, 2015
    Maio, 2015
    Junho, 2015
    Julho, 2015
    Outubro, 2015
    Novembro, 2015
    Dezembro, 2015
    Janeiro, 2016
    Fevereiro, 2016
    Março, 2016
    Abril, 2016
    Maio, 2016
    Junho, 2016
    Agosto, 2016
    Setembro, 2016
    Outubro, 2016
    Novembro, 2016
    Dezembro, 2016
    Janeiro, 2017
    Fevereiro, 2017
    Março, 2017
    Abril, 2017
    Maio, 2017
    Junho, 2017
    Julho, 2017
    Agosto, 2017
    Setembro, 2017
    Outubro, 2017
    Novembro, 2017
    Dezembro, 2017



    __________________________________________________________
    Quarta-feira, Agosto 26, 2015

    Artigo Especial. Pinçado do jornal eltrônico "Sub Júdice" do Escritório de Advocacia Décio Freire & Associado. PARA LER e PENSAR!!!

    ALÉM DOS TRIBUNAIS

    Produção de conteúdo
    é arma para rebater difamações
    espalhadas pela internet

    *Por Fernando Martines

    "Existem três coisas que não voltam: a flecha atirada, a palavra dita e a oportunidade perdida". Assim como popularizar o adágio de origem desconhecida, a internet radicalizou esta máxima em relação a qualquer manifestação verbal: o direito ao esquecimento foi praticamente suprimido com a comunicação digital. Mais que não ter volta, a publicação em uma rede social fica exposta e ao alcance de todos, o tempo todo. Quando se trata de uma ofensa, a condição irrevogável da ofensa é capaz de arruinar reputações e carreiras e dar início a uma guerra digital.

    A cada caso de difamação no qual são acionados, Facebook e Google seguem roteiros parecidos para evitar a remoção de conteúdo de seus serviços: alegam incapacidade técnica; que são apenas a plataforma e não os produtores; que os servidores estão em outro país, que empresas do mesmo grupo econômico têm entidades jurídicas diferentes; que o caso deve ser levado a um tribunal fora do Brasil onde está localizada a sede do serviço, entre outros argumentos.

    Em um caso emblemático, o Google só removeu um conteúdo considerado ofensivo após a prisão de seu presidente no Brasil por ordem de um juiz federal. O Marco Civil da Internet (Lei 12.965/2014) chegou para regular a situação e tem conseguido compelir as empresas a cumprirem as decisões que determinam retiradas de conteúdo.

    Mesmo assim, ainda é pouco para evitar que alguém obstinado crie novos perfis e faça outras difamações, nesses próprios serviços.

    Ou ir por outro caminho, e passar a replicar as publicações em blogs e outros pequenos tipos de serviço que se retroalimentam.

    E basta uma busca com o termo correto que estão lá dezenas de sites com a mensagem ofensiva que muitas vezes alguém lutou judicialmente contra. A epidemia se alastrou, mas existe tratamento. Produção de conteúdo

    "O caminho que resta é ocupar as redes com conteúdo positivo. É demorado, trabalhoso, mas tem que levar em conta que no caso do Google cerca de 95% das pessoas ficam entre a primeira página de resultados e as primeiras linhas da segunda página. Então se você consegue afastar o conteúdo dali, já é um resultado importante.

    A medida judicial pode ser inócua em alguns casos. Pior, porque é demorada e também pode gerar polêmica e trazer atenção para o caso", explica Alexandre Secco, diretor da Medialogue responsável pela área de comunicação.

    A agência anunciou na última semana a oficialização de uma parceria comAlexandre Atheniense, advogado especializado em casos de ataques digitais. Segundo a empresa, que atua em campanha eleitorais e gestão de crises corporativas, a operação "lava jato" aqueceu o mercado.

    A exposição negativa tem levado um número crescente de executivos e lideranças a procurar serviços especializados para cuidar de imagem e reputação digital.

    Estratégias
    A experiência mostra que, em muitos casos, a ação na Justiça não é o caminho, por trazer maior exposição a algo que se quer manter o mais afastado possível da atenção pública. Isso não afasta, entretanto, a necessidade de orientação jurídica. Secco aponta essa assessoria como fundamental na preservação de provas, em notificações extrajudiciais ("em muitos casos resolve o problema em seu início"). Medidas junto a tribunais, só quando necessário e em último caso.

    "O que mais acontece é difamação, em segundo plano distribuição de dados falsos, criação de fakes [perfis falsos nas redes sociais] e manipulação de meios de comunicação, como em um caso de um candidato na última eleição que comprou um site e passou a falar bem dele mesmo sem deixar isso claro ao público. Nós fazemos as análises das consequências jurídicas e fazemos o enfrentamento que for necessário no menor tempo possível", afirma Alexandre Atheniense, o advogado que cuida da parte jurídica da empreitada.

    Atheniense ressalta que, quando só trabalhar a imagem não basta e é necessária ação na Justiça, o Marco Civil se mostrou uma ferramenta eficaz para reparar esses danos. "Ele mudou a situação, sobretudo quando a agressão passa por um sujeito anônimo.

    Com a lei, essas empresas são obrigadas a guardar os registros eletrônicos e nós temos maior margem de êxito para fazer a identificação de autoria. E também disciplinou a necessidade dos servidores de acatarem a decisão de ordens judiciais para revelar os dados cadastrais. Se for necessário tomar uma decisão judicial, a solução agora tem muito mais efetividade que antes do Marco Civil", diz Atheniense.

    Conteúdo relevante No campo da produção de conteúdo, Secco ressalta que o material deve ser bom e ter um público de verdade. "Nós produzimos uma vez um conteúdo sobre a Lei de Repatriação de Capitais. Era um conteúdo que tinha muito interesse na área que nosso cliente estava inserido e a gente produziu um site alimentado por uma newsletter e era um conteúdo de verdade."

    "Bancou-se a produção de informação e era uma informação crível, importante, com recursos jornalísticos de entrevistar pessoas e autoridades. E ficou no ar por um bom tempo e atraiu uma audiência real de pessoas interessadas no assunto e aquilo contribuiu muito para jogar as informações que atingiam o cliente para lugares menos evidentes", explica o diretor de comunicação.

    *Fernando Martines
    é repórter da revista Consultor Jurídico.
    Revista Consultor Jurídico,
    23 de agosto de 2015, 7h44


                           Link direto para este post:

    __________________________________________________________________________


    Clique para conhecer ___________________________


    ___________________________


    Clique para conhecer

    ___________________________

    Clique para conhecer
    ___________________________

    Clique para conhecer ___________________________

    Clique para conhecer
    ___________________________

    Clique para conhecer

    ______________________________

    Clique para conhecer

    ______________________________
    Clique para conhecer
    ______________________________
    Clique para conhecer
    ______________________________

         
     
    Clique e envie-nos 

seu e-mail